Profissionais da Área de Crédito do Banco Itaú BBA produziram uma análise criteriosa sobre a situação financeira dos clubes de futebol do Brasil, ou seja, a chamada "visão do sistema financeiro desses clubes". Por mais que os dados apresentados possam ser questionados, a análise é eminentemente técnica, foi feita por quem conhece do negócio, por quem trabalha no sistema financeiro.

A fonte das informações é única e exclusivamente o balanço financeiro divulgado pelos próprios clubes; é aquilo que por meio do qual os dirigentes prestam conta aos associados, adeptos e demais pessoas da "cúpula" do clube. Não é a primeira vez que estudos semelhantes são produzidos.

Em 2011 foi divulgado o estudo "Como o mundo das finanças enxerga o futebol"; no ano posterior os profissionais do Itaú BBA divulgaram outro estudo, dessa vez com o seguinte título: "Clubes apresentam evolução econômico-financeira na visão do Itaú BBA”.

Já em 2013, as pesquisas não ficaram restritas a somente uma publicação, assim, diversos foram os títulos dos estudos divulgados ao público, como "Não falta dinheiro", “Nem tudo é festa: impostos em atraso, dívidas em alta".

No ano de 2014, com dados referentes ao ano passado, o Itaú BBA chegou à conclusão que a atual situação financeira dos clubes brasileiros não é boa; diante dos fatos titularizou sua pesquisa dessa forma: "Dinheiro na mão é vendaval". Em 2011 e 2012 as receitas dos clubes do Brasil aumentaram e inúmeras contratações foram feitas, muitas delas sem critérios e não deram resultados em campo.

Salários astronômicos, promessas, prestações… a conta chegou, a situação chega a ser caótica em alguns clubes. Cada clube com suas dificuldades, uns mais e outros menos.

O futebol brasileiro não está bem em campo nem fora dele. É preciso mudanças. Os dados disponibilizados pelos clubes são divergentes entre si, mas nada que impedisse que o Itaú BBA finalizasse sua pesquisa com fundamentos.

Por Vinicius Cunha


A diretoria do Flamengo, sob o comando do atual presidente Eduardo Bandeira de Mello, encomendou à empresa Ernst & Young dados sobre a situação financeira do clube.

A análise teve a duração de três meses, e de acordo com os auditores da empresa contratada, a dívida do Mengão é de R$ 750,7 milhões, valor bem acima do que o que a antiga diretoria passou.

Mais da metade da dívida do rubro-negro é referente a impostos não pagos, inclusive, aproximadamente R$ 90 milhões são decorrentes da gestão da ex-presidente Patrícia Amorim; as informações foram publicadas pela revista "Veja" e a assessoria do clube não desmentiu.

Se as finanças do clube não estão sadias, em campo a situação não é muito diferente, pois o time já está eliminado do Campeonato Carioca, mesmo tendo mais duas partidas a fazer, e vem tendo dificuldades em adquirir reforços.

O próximo jogo do Flamengo será no domingo,14/04, quando fará o clássico contra o Fluminense, Fla x Flu. A partida será realizada no estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, e para o Mengão será apenas mais um clássico, pois pouco valor terá os três pontos, a não ser para levantar o moral dos jogadores.

Por Vinicius Cunha





CONTINUE NAVEGANDO: