Dos estádios construídos para a Copa do Mundo de 2014, alguns foram erguidos em cidades sem tradição no futebol e com times que beiram ao amadorismo.

Uma das Arenas montadas e já utilizadas foi construída no Distrito Federal: o Estádio Mané Garrincha. Em Brasília, não existe futebol de alto nível, com aparições esporádicas de Gama e Brasiliense na primeira divisão. A média de público gira em torno de 1.000 pessoas por jogo.

A alta manutenção de um estádio como esse não possibilita o empréstimo da arena para clubes locais, pois os gastos iriam superar e muito as receitas geradas pelos jogos destes times.

Neste caso, uma das alternativas para manter o estádio seria a realização de shows e eventos, mas mesmo assim, Brasília não tem tradição para grandes eventos e shows.

O empréstimo do estádio para a realização de jogos do Brasileirão também é uma alternativa, mas mesmo assim os clubes não podem se dar ao luxo de jogarem seguidamente fora de seus domínios, afinal, existe o programa de sócio-torcedor e neste caso os sócios precisariam ser ressarcidos financeiramente, pois estariam impedidos de assistir aos jogos.

Para o Mané Garrincha já existe um projeto de desafio entre o Campeão Brasileiro e o Campeão da Copa do Brasil, mesmo assim, é muito pouco para um estádio de R$ 1 bilhão.

Por José Alberi


Em relação à matéria “Estádio Mané Garrincha – Ociosidade cria Problemas para a Manutenção do Estádio”, veiculada no Portal Novos Jogos, esclarecemos que:

 1) A Coordenadoria de Comunicação para a Copa (ComCopa) em momento algum foi procurada pela reportagem para esclarecer as informações. Solicitamos que os esclarecimentos sejam publicados, para que os seus leitores não sejam induzidos a uma interpretação equivocada dos fatos.

2) Não é verdadeira a informação de que a ociosidade cria problemas para a manutenção do estádio. Basta lembrar que o Estádio Nacional Mané Garrincha é o mais bem sucedido entre todos aqueles construídos ou reformados para sediar as copas das Confederações e do Mundo. O índice de ocupação da arena multiuso erguida pelo Governo do Distrito Federal É O MAIOR de todos, com 86,1% dos  assentos disponíveis comprados pelos torcedores até agora.

3) A arena recebeu três jogos no Campeonato Brasileiro deste ano, com arrecadação de R$ 13,7 milhões. Para efeitos de comparação, em TODO o ano passado, no Pacaembu (em São Paulo), em 19 jogos, o Corinthians arrecadou R$ 14,1 milhões.

 4) A média de público no Mané Garrincha é de 49.523 pessoas, a maior entre os seis estádios que receberam partidas na Copa das Confederações.  Prova de que a cidade tem, sim, tradição no futebol. Brasília recebeu, recentemente, o título de a capital das torcidas.

5) O Mané Garrincha ainda detém o recorde de público deste ano, incluindo aí os jogos dos regionais, do Campeonato Brasileiro e da Copa das Confederações, registrado na partida entre Flamengo e Santos, com 63.501 pagantes.

6) Em relação à questão de shows e grandes eventos, Brasília não tem tradição justamente porque NÃO DISPUNHA, até a construção da arena do Mané Garrincha, de uma área em excelentes condições para receber grande público e shows internacionais.

7) Vale ressaltar que mais do que um estádio, o Mané Garrincha é uma arena multiuso com uma área de 1,6 milhões metros quadrados, pronta para receber grandes eventos esportivos e culturais. Com capacidade para 71 mil pessoas a nova arena vai inserir Brasília, em definitivo, no cenário dos grandes eventos, inclusive internacionais. A cidade, por exemplo, já está incluída na turnê de BEYONCÉ, em setembro, e da banda de rock AEROSMITH, em outubro. E já recebeu, em junho, o show de tributo a RENATO RUSSO, com público de 45 mil pessoas.

8) Destacamos, ainda, que no dia 26 de junho de 2013 foi publicado o Decreto 34.491, que destina 13% da renda bruta das cinco primeiras partidas de futebol no Estádio Nacional ao Tesouro local. A REGRA JÁ FOI APLICADA, inclusive, nos jogos Flamengo e Coritiba e Vasco e Flamengo. O decreto informa também que, a partir da sexta partida, os organizadores deverão destinar 15% dos ganhos, além de custear as despesas com energia elétrica.

9) Isso quer dizer que em apenas dois jogos, o Governo do Distrito Federal arrecadou  aproximadamente R$ 900 milhões, dinheiro esse revertido aos cofres públicos.

10) Estamos à disposição para maiores esclarecimentos, se necessário.

ComCopa
imprensagdf.copa@gmail.com


Afundado no pântano da crise financeira, o Botafogo deve optar por enfrentar o Fluminense, dia 7 de julho, no novo Estádio Mané garrincha, em Brasília (DF). O Governo Federal convidou Botafogo e Fluminense para jogara a rodada do Campeonato Brasileiro na nova arena, que leva o nome do maior ídolo da história do Alvinegro.

A diretoria tricolor vê a ideia de atuar em Brasília de forma positiva, mas deixou nas mãos do clube de General Severiano a decisão final, já que o mando de campo é botafoguense. Sem muita alternativa com a interdição do Engenhão, o Glorioso pretende aceitar e até se animou devido ao grande número de torcedores alvinegros em Brasília.

Perdido em uma situação financeira que piora a cada dia, o Botafogo pode encontrar em Brasília o carinho do torcedor, que pode até não pagar as contas, mas ameniza o clima tenso nos bastidores de General Severiano. O Botafogo já esteve em Brasília em 2013, onde empatou em 0 a 0 com o Sobradinho pela Copa do Brasil.

O clube segue com o atraso de dois meses nos salários do elenco principal e já inicia uma reestruturação em seus departamentos, onde funcionários poderão ser dispensados.

Por Marcos Junior





CONTINUE NAVEGANDO: