Segundo Neymar, uma das esperanças brasileiras para a conquista da Copa, está difícil conter a ansiedade perante o iminente jogo do Brasil contra a Espanha neste domingo.

Para o jogador, esta será uma ótima oportunidade de consagrar-se dentro do futebol mundial e antecipou que os brasileiros jogarão de forma ousada e agressiva não ficando somente na defesa. O Brasil que enfrentará “La Furia” não ficará tímido perante a rival bicampeã europeia e atual mantenedora do título da Copa do Mundo de 2010, atuará como verdadeiro anfitrião buscando criar oportunidades.

O camisa 10 afirmou que eles estão preparados para o confronta da final e que esperam fazer uma grande partida, considera que esta será árdua, difícil porque o adversário é forte e tem estilo de jogo parecido ao nosso, porém sente que há possibilidades do título ficar em casa.

Neymar Jr. Acrescentou que a partida que acontece neste Domingo, 30 de Junho, às 19hs, no Maracanã. Será uma das “melhores partidas da história”.

Os jogadores mesmo estando confiantes para entrar em campo, sabem que essa ansiedade não é somente um privilégio da delegação brasileira, mas também de todo o povo que acompanha e torce pela vitória da nossa Seleção.

Por Melina Menezes


A fúria confirmou o favoritismo ao vencer a seleção italiana na semifinal da copa das confederações, garantindo sua vaga para a final do torneio intercontinental. A classificação foi muito mais complexa do que o esperado, uma vez que só se confirmou na disputa de pênaltis.

No primeiro tempo, embora a Espanha tivesse mantido sua tradicional posse de bola, a azurra foi mais agressiva, tendo finalizado nove vezes contra o gol dos espanhóis que, por sua vez, chutaram apenas duas vezes contra o gol de Buffon.

Contudo, Alberto Gilardino, substituto de Mário Balotelli, não estava inspirado, assim como seus colegas de equipe, já que a Itália não conseguiu furar as redes de Casilias. O segundo tempo, ficou marcado pelo nítido desgaste físico dos jogadores, o que ocasionou uma série de erros de passes dos dois times, bem como substituições motivadas pelo cansaço.

É importante lembrar que os jogadores europeus não estão acostumados a enfrentar um calor igual do nordeste brasileiro, isso sem falar na exaustão decorrente do fim da temporada europeia. Sem grandes sustos na etapa final, o jogo foi para prorrogação.

Por incrível que pareça, ambas seleções tiveram boas oportunidades tanto na etapa inicial como final, principalmente a Espanha. Nos últimos minutos, a fúria quase marcou!

A disputa de pênaltis foi extremamente equilibrada, já que ambas seleções bateram com perfeição as cinco primeiras cobranças, deixando os grandes goleiros das duas seleções frustados. No entanto, Bonucci, visivelmente tenso, mandou a bola longe do gol.

Jesus Navas convertou o pênalti espanhol, colando a fúria na grande final.

Por Renan Valmeida do Nascimento





CONTINUE NAVEGANDO: