A noite de gala da FIFA que entregou a Cristiano Ronaldo o prêmio Bola de Ouro também elegeu a seleção de 2014. Esta conta com os grandes destaques do ano, divididos por posição no campo dos jogadores. O Brasil marcou presença com sua dupla de zaga David Luiz e Thiago Silva.

Mesmo após o vexame da Copa do Mundo do Brasil, a qualidade dos zagueiros brasileiros não foi contestada, já que formam uma boa dupla na zaga do Paris Saint-German. A eleição visa avaliar os jogadores durante todo o ano e não em um jogo apenas, até mesmo porque Thiago Silva não atuou no jogo do Brasil contra a Alemanha na Copa.

Entre os escolhidos, o goleiro foi o alemão Manuel Neuer, que atua no Bayern de Munique.

Na zaga, os brasileiros David Luiz e Thiago Silva fizeram as honras. Vale lembrar que David jogou pelo Chelsea no começo do ano.

O lateral esquerdo escolhido foi Philipp Lahm, alemão campeão mundial que joga no Bayern de Munique.

Na lateral esquerda, o espanhol Sergio Ramos ocupou a vaga, ele que joga no Real Madrid.

O volante foi o também alemão Toni Kroos, que jogou no Bayern de Munique até a Copa do Mundo e agora está no Real Madrid.

Os meias eleitos foram Andrés Iniesta, jogador espanhol que joga no Barcelona, e o argentino Angel Dí Maria, que jogava no Real Madrid e agora atual pelo Manchester United.

No ataque da seleção de 2014, foram eleitos o holandês Arjen Robben do Bayern de Munique, o argentino Lionel Messi do Barcelona e o português Cristiano Ronaldo do Real Madrid.

Mesmo sendo muito elogiado durante o ano, Neymar teve seu nome presente nas votações, porém a vaga de sua posição foi bastante concorrida. Ele enfrentou Lionel Messi, 4 vezes melhor do mundo, e Cristiano Ronaldo, 3 vezes ganhador da Bola de Ouro, incluindo a edição atual.

É claro o seu crescente desempenho no futebol, principalmente por atuar em um grande clube que é o Barcelona, o qual lhe coloca grandes holofotes, sendo de se esperar seu nome em edições futuras de Seleção do Ano e mesmo como concorrente à Bola de Ouro.

Sele??o Fifa

Foto: Divulgação


O técnico Jorge Sampaoli estava confiante de que sua seleção poderia, no mínimo, ter uma boa participação na Copa do Mundo de 2014. Pois o Chile tem um respeitável poder ofensivo, entretanto, o próprio treinador jogou a toalha depois do sorteio dos grupos.

Os chilenos terão como adversários duas grandes seleções do futebol mundial: Holanda e Espanha. Obviamente que as duas seleções europeias são favoritas para se classificarem para a próxima fase. Contudo uma classificação chilena traria uma moral inabalável, o que colocaria os chilenos como um dos favoritos ao título.

Os grandes craques da seleção são: Arturo Vidal e Alexis Sanchez. O primeiro é dos melhores jogadores da Juventus, sendo considerando por muitos como um dos meias mais completos do mundo, dada sua grande facilidade em marcar, criar jogadas e fazer gols. O segundo não vive um dos melhores momentos em sua carreira, assim como todo o time do Barcelona.

Felizmente, o Chile não é daquelas seleções que depositam todas suas esperanças nas costas de um ou dois jogadores. O palmeirense Jorge Valdívia sempre demonstrou uma habilidade incomum com a bola, razão pela qual o treinador da seleção considera sua presença essencial na equipe, tendo, inclusive, mandado um preparador físico realizar todo um trabalho especial com o jogador.

Mátias Fernadez e Isla são outras duas boas opções para o meio, tendo ambos os jogadores se destacado no cenário no europeu. No ataque, além de Sanchez, o time ainda conta com um velho conhecido da torcida brasileira, o ex-gremista Vargas.

O ponto crítico da seleção é a zaga, haja vista que esta deixa a desejar. Aliás, provavelmente, essa seja a razão que faça o técnico postar o time de forma ofensiva. Resta saber se o técnico manterá o time na frente contra Espanha e Holanda ou se renderá ao tradicional esquema retranqueiro.

Por Renan Valmeida do Nascimento





CONTINUE NAVEGANDO: