Diferentemente da Seleção Brasileira masculina de futebol, as jogadoras que representam o Brasil no esporte não fizeram feio e venceram a competição internacional realizada em casa neste ano.

A competição chamada Torneio Internacional de Brasília reuniu quatro seleções, a Argentina, o Brasil, a China e os Estados Unidos. Houve partidas entre todos os times, com os dois melhores se classificando para a final.

O Brasil teve a melhor campanha, vencendo as hermanas por 4 x 0, depois ganhando de 3 x 2 dos Estados Unidos e de 4 x 1 da China. Os Estados Unidos teve a segunda melhor com uma vitória de 7 x 0 sobre a Argentina, um empate de 1 x 1 com a China e uma derrota para as brasileiras.

Mesmo considerada a número 1 no ranking da FIFA, a Seleção Norte-Americana não passou tanto medo nas brasileiras, já que elas estavam jogando em casa, contavam com o apoio de sua torcida e já tinham vencido as rivais na primeira fase do torneio.

A verdade é que a final terminou em 0 x 0, mas foi uma partida bem intensa, que contou com o brilho da goleira Luciana, do Brasil, e a badalada Hope Solo dos Estados Unidos.

Como critério já estabelecido do torneio, a seleção que se classificasse em primeiro lugar na “fase de grupo”  teria a vantagem do empate. Como o Brasil teve a melhor campanha, foi consagrado campeão após o 0 x 0.

A partida teve polêmicas, como um gol anulado dos Estados Unidos em que a jogadora norte-americana estava claramente impedida, mas mesmo assim as rivais contestaram.

Outras polêmicas foram dois pênaltis não marcados a favor do Brasil. No primeiro, uma jogadora brasileira foi derrubada pela adversária dentro da área, após tentar um drible que a deixaria na cara do gol. No segundo, uma jogadora do Brasil foi agarrada na área, o que a impediu de chegar até a bola cruzada pela lateral direita do campo.

A pressão foi muito grande nos últimos minutos da partida, com as norte-americanas colocando uma bola no travessão, que se fosse convertida em gol daria o campeonato para as estadunidenses.

Com este torneio, o Brasil se tornou pentacampeão, após vencer as edições de 2009 e dos três últimos anos.

Por Rannier Ferreira Mendes

Foto: Assessoria CBF


Começou nessa quarta-feira, dia 10 de dezembro de 2014, o Torneio Internacional de Futebol Feminino, sendo realizado em Brasília, no estádio Mané Garrincha.

O torneio tem a participação de quatro seleções: Brasil, Argentina, China e Estados Unidos. Ele é uma preliminar e uma preparação para a Copa do Mundo Feminina da FIFA Canadá 2015, assim como para as Olimpíadas que serão realizadas no Rio de Janeiro em 2016.

O torneio, que teve sua primeira edição no ano de 2009, começou com o jogo entre China e Estados Unidos, acabando em empate por 1 x 1.

Logo após o jogo inicial, a Seleção Brasileira entrou em campo contra a Argentina, em um clássico das Américas.

O jogo iniciou com o Brasil bastante ofensivo, mostrando sua superioridade sobre as adversárias logo nos primeiros momentos. Como já era esperado, a torcida ficou bastante animada todas as vezes que a Marta, grande craque do time, tocava na bola.

A Seleção Brasileira saiu na frente, com o primeiro gol saindo aos 13 minutos, com uma jogada de cabeça de Debinha. A seleção continuou pressionando e a goleira Luciana do Brasil não teve quase nenhum trabalho. O segundo gol do jogo veio de uma cobrança de falta de Maurine, que deixou Formiga para completar de cabeça e fazer 2 x 0 para o Brasil.

Formiga, que foi homenageada no início da partida, está completando 20 anos de história na Seleção Brasileira.

Na volta do intervalo, logo no segundo minuto de jogo, Marta teve uma grande chance de aumentar o placar, mas pegou mal na bola e chutou para fora. Porém, o terceiro gol saiu apenas aos 32 minutos, com uma roubada de bola de Beatriz, que passou para Raquel. A ideia da jogadora brasileira era passar a bola para o meio da área, porém houve desvio na zagueira Barroso, cortando a goleira e entrando no gol.

Aos 36 minutos do segundo tempo, Formiga acertou um belo chute de fora da área, aumentando a vantagem para 4 x 0. Mesmo ganhando com ampla vantagem, o Brasil apertou a Argentina até o último minuto de jogo.

A Seleção Brasileira enfrentará os Estados Unidos no domingo, dia 14 de dezembro, às 18h45.

Por Rannier Ferreira Mendes

Brasil x Argentina

Foto: Divulgação


É uma realidade que o futebol é uma esporte com grande popularidade na categoria masculina. Já na categoria feminina, ainda há um certo desprezo por parte dos amantes do esporte e de potenciais patrocinadores, sem um motivo aparente. Nos games esportivos a coisa não é diferente, mas há mobilizações para mudar esse “tabu”.

A jogadora de futebol da seleção espanhola, Verónica Giadans, iniciou uma petição pública na internet com o intuito de conseguir assinaturas para a inclusão da categoria na série FIFA, um dos games de futebol mais bem-sucedidos, ao lado da série Pro-Evolution Soccer (antigo Winning Eleven). A petição foi feita no changes.org, e já possui mais de 30.000 assinaturas (ainda são necessárias 5.000). O argumento mais utilizado, é de que nos EUA 47% dos jogadores são mulheres, que gostam de games de futebol.

A inclusão de um modo com times e seleções femininas pode ser uma diferencial interessantes para as desenvolvedoras, podendo atrair um público maior, além de apresentar algo que muitas pessoas sabem que existe, mas que não dão a devida atenção. Contudo, a adesão do modo deve ser vista com cautela: em 2000, foi lançado um game para Nintendo 64 intitulado Mia Hamm Soccer, game de futebol feminino que levava o nome da famosa jogadora da seleção americana da época. O game foi um fracasso de vendas e crítica, e de lá para cá não houve nenhuma outra iniciativa.

A Eletronic Arts, empresa responsável pela série FIFA, ainda não se pronunciou a respeito da petição. O futebol feminino tem ganhado uma repercussão tímida no mundo do esporte, será que seria rentável para a produtora sua inclusão?

Por Willian Gonçalves





CONTINUE NAVEGANDO: