O Campeonato Brasileiro Série B teve o seu encerramento neste último fim de semana, com a disputa da 38ª rodada da competição. E apesar de algumas coisas já terem sido resolvidas antes mesmo dessa rodada, como o acesso antecipado conquistado pelo Joinville e pela Ponte Preta para a Série A do Brasileirão em 2015, mas ainda disputaram até a última rodada o título da competição.

E na outra ponta da tabela também já haviam algumas confirmações, como o rebaixamento também antecipado da Portuguesa e do Vila Nova para disputarem o Campeonato Brasileiro da Série C no ano que vem, mas ainda faltava conhecer as outras duas equipes que completariam o Z4 da segundona.

No último sábado tivemos a definição do campeonato que consagrou o Joinville, ou JEC, como o campeão do Campeonato Brasileiro Série B de 2014, conquistando o título e o ingresso para a elite do futebol brasileiro mesmo sofrendo uma derrota em seu último jogo, contra Oeste, por causa do tropeço da Ponte Preta.

A macaca foi a vice campeã e perdeu a chance de conquistar o primeiro título do Brasileirão Série B de sua história ao empatar com o Náutico, pois caso a Ponte vencesse a sua última partida teria levado a taça.

Vasco e Avaí, que terminaram em terceiro e quarto lugar, respectivamente, se garantiram no G-4 da segunda divisão e também retornaram à Série A do Campeonato Brasileiro. E o time catarinense conquistou o seu acesso justamente vencendo o Vasco na última rodada, na Ressacada.

Já a equipe carioca, apesar de ter conseguido voltar à elite, não agradou totalmente a sua torcida com o feito, por conta de não ter conquistado o título e também pelo futebol apresentado na reta final da competição.

Já na zona de rebaixamento, além da Lusa e do Vila Nova que já haviam sido citados acima, também ficaram o Icasa e o América-RN. Essas quatro equipes que não conseguiram se manter na segunda divisão irão disputar o Campeonato Brasileiro Série C, em 2015.

Por João Calvet

Foto: Rodrigo Philipps / Agência RBS


A taça da Copa Libertadores ficou em terras canarinhas. O time do Atlético Mineiro venceu a partida contra o Olimpia do Paraguai e se consagrou Campeão da Libertadores por primeira vez.

No jogo de volta disputado no Mineirão, os times duelaram até a fase dos pênaltis onde o time mineiro levou a melhor, por 4 a 3 para os brasileiros.  No tempo normal de jogo os atleticanos marcaram 2 a 0, porém o time de Ronaldinho Gaucho perdeu no jogo de ida realizado no estádio Defensores Del Chaco pela mesma diferença, então prosseguiram até os pênaltis.

Os gols da partida foram feitos por Jô e por Leonardo Silva. O time chileno sofreu com a expulsão de Manzur, logo após veio o segundo gol atleticano. O fôlego estava aguentando na prorrogação, entretanto a equipe não conseguiu um bom desempenho nos pênaltis e acabou sendo derrotada.

Durante o primeiro tempo, o Olimpia conseguiu deter o setor de ataque atleticano, pois sabia que os brasileiros tentariam marcar já nos primeiros minutos como fizeram com o Newell’s da Argentina. O ídolo do Atlético-MG, Ronaldinho, não pode desenvolver bem o seu jogo devido ao preparo da equipe do Olimpia para conter a ofensiva mineira.

O primeiro tempo foi vazio, não houveram gols. Mas a equipe voltou rápida para o segundo tempo, e Jô aos 2 minutos aproveitou uma distração do golero e marcou, abrindo o placar a favor do Atlético. A partir daí a confiança voltou a reinar no time brasileiro e começaram a botar pressão sobre os chilenos tanto que aos 41 minutos ocorreu o segundo gol pelo chute de Leonardo Silva.

Ainda na prorrogação o time manteve o nível de jogo e não se deixou abater pelo cansaço.

Foi uma grande partida em que todos os brasileiros estavam torcendo para que a Libertadores ficasse com o time do Atlético-MG.

Por Melina Menezes.


O Atlético Mineiro conquistou a Taça Libertadores, cravou seu nome na história do futebol mundial e colocou Minas Gerais novamente na rota das Américas. Em jogo duro diante do Olimpia, do Paraguai, o galo vingador venceu por 2 a 0 no tempo normal e levou a decisão para os pênaltis, onde brilhou o goleiro Victor.

O Atlético Mineiro mostrou ao Brasil e ao mundo como ser campeão de corpo, alma e coração. Em situações complicadas durante a fase final da Libertadores, o Galo venceu as adversidades apoiado em seu paredão Victor e não facilitou para os paraguaios do Olimpia, que haviam vencido o jogo ode ida por 2 a 0.

O clima era tenso no Mineiro lotado e a tensão se transformou em euforia quando Jô girou sobre o zagueiro e marcou o primeiro, 1 a 0 Galo. O Olimpia pouco criou, mas se postou em campo com firmeza e certa frieza.

Cuca teve 45 minutos para marcar só mais um gol e o zagueiro Leonardo Silva compreendeu o recado, tento em cabeçada salvadora após subir 2,30m.

Após a prorrogação, pênaltis na decisão, que teve o Galo vingador de luvas. Victor pegou o primeiro pênalti e esperou o Olimpia perder o ultimo para soltar o grito de campeão no Mineirão.

Por Marcos Junior


O Corinthians venceu o São Paulo pela final da Recopa. O título é disputado pelo campeão da Libertadores (Corinthians) e pelo campeão da Copa Sul-Americana (São Paulo). O primeiro jogo teve o placar de 2 a 1 para o Timão, que venceu novamente o São Paulo pelo placar de 2 a 0 e afundou mais o Tricolor que agora enfrenta uma crise complicada.

O jogo foi totalmente dominado pelo Corinthians, que mesmo com a vantagem no placar, não deu chances para o rival. Aos 4 minutos Romarinho cruzou para Guerrero que cabeceou para a defesa de Rogério Ceni. O São Paulo tentava com Osvaldo, mas também sem sucesso.

Aos 36’, o time da casa abriu o placar após cruzamento de Emerson Sheik. O atacante lançou para Guerrero, mas foi Romarinho quem fez após a bola sobrar para ele. O placar de 1 a 0 enlouqueceu o São Paulo, que buscou o empate, mas não conseguiu.

No segundo tempo, o Timão ainda ampliou com cabeçada de Danilo, que tentou duas vezes até marcar. O placar de 2 a 0 deu o título inédito ao Timão. Ele bem foi celebrado pela torcida e os jogadores, principalmente Paulinho que irá jogar pelo Tottenhan e se despediu da torcida.

Por Robson Quirino de Moraes


Foram os meninos fluminenses da Copa Nacional Sub-17 que ergueram a taça. Eles venceram o time do Internacional por 2 a 0 com gols marcados de Douglas e de Felipe.

Numa partida predominantemente fluminense, com o time tricolor dominando e tendo maior posse de bola, os jogadores do time pressionaram o tempo todo a equipe colorada que se vendo numa situação complicada não teve outra opção a não ser sair para o jogo.

Mesmo com os esforços dos meninos gaúchos o Internacional não resistiu. O primeiro gol saiu logo no primeiro tempo, e o segundo foi só questão de tempo e de esperar que o Inter tentasse fazer alguma jogada perigosa e se arriscasse um pouco. Dessa forma ficou mais fácil descuidar a defesa deixando aberto para que ocorresse o segundo gol.

O tricolor continua investindo forte nos novos craques, mesmo a instituição estar passando por momentos difíceis no que diz respeito aos aspectos econômicos e financeiros, o Fluminense desembolsa R$ 10 milhões em busca de novas promessas para o time.

Antes desta partida que deu o título a seleção do Fluminense Sub-17, o time sub-17 alternativo do clube perdeu na competição estadual.

Por Melina Menezes.


Após vencer o Bahia por 7 a 3 no jogo de ida, o Vitória estava com a taça na mão, pois poderia perder por vários gols de diferença. Já o Bahia tinha que correr contra o relógio,  fazer muitos gols para ser campeão e diminuir a raiva que a torcida está do time.

Apesar do resultado desfavorável ao Bahia, o jogo acabou em 1 a 1, dando o título ao Vitória. O jogo no Barradão, estádio do Vitória, começou equilibrado, mas logo o Vitória tomou de conta da partida. O Bahia não conseguia fazer muita coisa e mesmo com a promessa da diretoria de ganho extra caso fosse campeão não motivou o time, que esteve encurralado durante todo o primeiro tempo.

O gol do Vitória saiu aos 22 minutos do primeiro tempo. A bola sobrou para Dinei (ex-Palmeiras) que chutou sem chances para o goleiro. O Bahia pouco apareceu e antes de terminar o primeiro tempo um cachorro invadiu o campo, aumentando a festa da torcida do Vitória.

O segundo tempo não teve muita emoção. O Bahia, que precisava de 6 gols para ser campeão, pouco criou, mas marcou com Fernandão. O placar de 1 a 1 deu o título merecido ao Vitória. Já a torcida começou a festa antes do apito final. 

Por Robson Quirino de Moraes


Depois de vencer a primeira partida da final do Campeonato Mineiro por 3 a 0, o Atlético enfrentou o Cruzeiro no Mineirão, onde 90% dos torcedores eram cruzeirenses, já que a equipe celeste era a mandante do jogo; no final o Galo perdeu por 2 a 1, mas nem a derrota tirou o título de Ronaldinho e companhia.

Os dois gols do Cruzeiro foram marcados após cobranças de pênaltis, que Dagoberto bateu, sem chances para o goleiro Victor. 2 a 0 ainda não dava o título ao Cruzeiro, mas foi o suficiente para "enlouquecer" a maioria presente no Mineirão, e assim terminou o primeiro tempo.

Na segunda etapa, era necessário mais um gol para que os cruzeirenses ficassem com o título, mas mesmo com a insistência, o placar não foi ampliado; quem marcou foi o Galo, também em cobrança de pênalti, que foi convertido com eficácia pelo craque Ronaldinho.

O título confirmou a boa fase vivida pelo Galo, atual vice-campeão brasileiro, e atualmente entre os oito classificados para as quartas de final da Copa Libertadores, competição que o time joga na próxima quinta-feira, contra o Tijuana; já o Cruzeiro pega o Resende, quarta-feira, pelo jogo de volta da 2ª fase da Copa do Brasil.

Por Vinicius Cunha


Botafogo é o Campeão Carioca 2013Na tarde do dia 5 de maio de 2012, o Botafogo de Futebol e Regatas ganhou seu vigésimo título do Campeonato Carioca. A vitória em cima do Fluminense por 1 a 0 em Volta Redonda foi suficiente para que clube da estrela solitária levasse a Taça Rio sem ter que realizar outro jogo, caso o Fluminense ganhasse.

O técnico Oswaldo de Oliveira montou um esquema que não somente segurou o Fluminense como impôs seu ritmo de jogo nos momentos mais decisivos. A partida começou um pouco tensa entre os atletas, principalmente entre Leandro Euzébio que se desentendeu com Marcelo Mattos, após este levar um puxão no pescoço dado por Thiago Neves. O que deixou o jogo um pouco parado até a metade do primeiro tempo.

Aos 28 minutos, Rafael Marques balançou as redes para o Botafogo, mas o gol foi anulado, mas aos 41’, Lucas teve uma boa oportunidade e chutou forte, Dória desviou e Rafael Marques tocou na saída do goleiro Diego Cavalieri e fez o gol. A vitória acabou com as chances do Fluminense de se tornar bicampeão esse ano.

O último título do Fogão tinha sido em 2010 e também foi um Campeonato Carioca. A conquista de 2013 foi a primeira de holandês Seedorf pelo Botafogo.

Por Robson Quirino de Moraes





CONTINUE NAVEGANDO: